Academia Brasileira de Ciências alerta para cortes no financiamento de pesquisas

Orçamento para a Ciência e Tecnologia foi reduzido a um terço em 2018.

Ao participar da manifestação Dois de Julho em Defesa da Ciência, na comemoração pela Independência da Bahia, o presidente da Academia Brasileira de Ciências (ABC), Luiz Davidowich disse que o orçamento público para a Ciência e Tecnologia em 2018 foi reduzido a um terço do que era há cinco anos, representando uma perda da ordem de 70% em valores atualizados. “Foram cortes profundos. A Ciência está sufocada por cortes sucessivos no orçamento”, observou, lembrando que os cortes significam menos investimento para pesquisas, que já sofrem até com a falta de insumos básicos para experimentos.

Além disso, segundo Davidowich, importantes centros de pesquisa têm convivido com equipamentos desatualizados. Muitas décadas de investimento estão se perdendo e entidades como Cnpq, Capes e Finep, que foram fundamentais para o desenvolvimento da ciência brasileira, estão enfrentando dificuldades para seguirem desenvolvendo suas atividades. “Isso nos preocupa porque vai prejudicar a saúde, a qualidade de vida e o bem-estar da população brasileira”, observou.

ASCOM - Assessoria de Comunicação da Academia de Ciências da Bahia





Publicado: Segunda, 16 de Julho de 2018.

VOLTAR